Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 


01/08/2009 19:09
"Tiro minha energia do amor"

por Caio Sena

01/08/09  1 comentários  lida 1767 vezes enviar por email

Lia de Itamaracá concedeu entrevista ao Encontro de Culturas logo após sua apresentação no palco. Confira.


Lia: símbolo de mulher forte. Foto: Mazé Alves

Lia de Itamaracá, para começar a entrevista, você podia falar um pouco de onde você tira essa alegria e energia que está presente no seu show?

Eu tiro minha energia do amor que tenho pelo que faço, do amor que tenho com o público, porque se eu não tenho amor e alegria, como eu vou repassar? A gente não pode transmitir o que não tem.

Como foi o início de sua carreira? Como se interessou pela música?

Eu comecei cedo, com 12 anos de idade. No início eu apresentava em praças e também fazia ciranda nos finais de semana, em um restaurante onde eu trabalhava. Quando a pessoa nasce com o dom, não tem jeito, ninguém barra. Meu sonho sempre foi cantar. Em 1977 gravei meu primeiro LP, A rainha da ciranda, queesgotou e eu não tive a oportunidade de regravar. Em 2002 gravei meu primeiro CD, Eu Sou Lia e em 2008 o segundo CD Ciranda de Ritmos.

Qual é a relação da sua família com a música? Você foi a primeira?

Na minha família ninguém canta e ninguém dança, não sabem nem por onde passa. Eu fui a única de 22 irmãos.

Onde você procura inspiração? Como você faz suas composições?

Pra começar a compor, tenho que estar bem calma e tranquila, aí a composição vem. Itamaracá me inspira muito. Quando eu faço composição de ciranda, eu vejo a parte católica e espiritual. A música que eu mais tenho orgulho de ter feito a composição foi Quem me deu foi Lia. Porque foi inspirada em uma pessoa que abriu as portas pra mim, essa música foi uma luta, quando eu tentei gravar no LP de 1977 outra pessoa correu na frente e gravou, então eu não pude gravar minha própria canção, e quando uma coisa é nossa a gente luta e vai até o fim, foi isso que eu fiz, e consegui colocar no meu último CD.

O que o festival Abril Pro Rock significou para você e para sua carreira?

Foi uma maravilha, já pensou Lia no meio dos roqueiros? Foi muito bom. Quando eu recebi o convite pensei: é agora... é agora que a banda vai tocar mesmo, com garra. E foi um sucesso parecia que eu já tinha ensaiado com eles, foi um chamego tão grande que até hoje eu me lembro, tenho muita vontade de tocar de novo. Casou a ciranda com o rock, já pensou? Eu não esperava que fosse tão bom. Pensei que não ia dar em nada mas foi um empurrão na minha carreira.

O jornal The New York Times uma vez falou que você é a "diva da música negra". O que você acha sobre isso?

Eu acho uma maravilha. Quanto mais me valorizam mais eu gosto. Eu adoro, oxênte!

Durante a turnê você viajou bastante, que lugar você gostou mais de conhecer?

Cada lugar me surpreendia de uma forma diferente. Eu adoro sair e levar cultura, voltar com cultura. Eu sempre volto melhor, mais leve. Mas nenhum lugar é igual Itamaracá.

De onde vem a ideia de sua roupa?

Vem de Iemanjá, eu gosto muito de me vestir assim porque Iemanjá é uma corrente muito boa. Tudo que eu quero eu consigo, mas Deus está em primeiro lugar pra mim.

O público demorou pra deixar você se despedir. Como é tocar aqui em São Jorge?

Muito bom, aqui podemos juntar as raízes, os mestres. Foi maravilhoso. Eu queria um convite desse todos os dias (risos). É cultura. Eu gosto de me misturar no meio do povo como uma artista.

 

Envie seu comentário
*Seu nome:
*E-mail (não será publicado):
Site (inclua o http://)
*Comentário:
*Preencha a resposta:
* campos obrigatórios

Comentários nesta matéria:

Alexandre L'Omi L'Odò disse em 05/08/09 | 18:35
Eita Pernambuco macho!! rsrssrrsrs

Lia é nossa estrela.

Não poderia deixar de me colocar aqui neste espaço!

Amo-a demais.

L'Omi.


 


01/08/2009 | Lia de Itamaracá
  "Tiro minha energia do amor"
 
31/07/2009 | Opereta
  Doroty Marques e o mundo mágico do Turma que Faz
 
30/07/2009 | Percussão
  Mamour Ba, diálogo com os tambores
 
29/07/2009 | Capoeira Angola
  Mestre Cobra Mansa e o Permangola
 
27/07/2009 | Xilogravura
  Guará e sua arte
 
27/07/2009 | Cultura Digital
  Produtora Cultural Colaborativa
 
27/07/2009 | Comunidade Kalunga
  Zenira, a raizeira kalunga
 
26/07/2009 | Kalungas
  A tradição secular de descendentes dos escravos
 
25/07/2009 | Folia do Divino de Formosa
  Folia da Roça
 
24/07/2009 | Roda de Prosa
  As mulheres no Encontro de Culturas
 
23/07/2009 | Aldeia Multiétnica
  Aldeia dos povos
 
19/07/2009 | Aldeia
  Aldeia Multiétnica abre em grande estilo
 
18/07/2009 | Arte
  Moacir, o artista da Chapada
 
18/07/2009 | Feira
  Feira de Oportunidades Sustentáveis
 
18/07/2009 | Lançamento literário
  Entre os cimos nublados, uma solidão selvagem
 
16/07/2009 | Atrações
  Encontro de Culturas da Chapada dos Veadeiros
 



5021 visualizações - 23/07/2009
Interação aumenta a cada dia na III Aldeia Multiétnica

3214 visualizações - 03/07/2009
Fórum de Culturas Tradicionais do Estado de Goiás

   
Início | O Encontro | Programação | Imprensa | Notícias | Ficha Técnica | Contato
2004 - 2009. Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros. Um projeto da Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge e Asjor.
Fotos e matérias podem ser distribuídas desde que citados os créditos da Agência de Notícias Cavaleiro de Jorge e do fotógrafo.
Desenvolvido por Carlos Filho - Goiânia