De 15 a 30 de julho de 2016
Vila de São Jorge · Chapada dos Veadeiros · Goiás

Oficinas

Oficinas de música, dança, artesanato e diversos fazeres culturais realizadas com grandes mestres e representantes da cultura tradicional brasileira.

PROGRAMAÇÃO

20/07

Quarta-feira

18:00 – Oficina de Mosaico: Oods Mosaic com Otávio Oods - Camping do Encontro

Paz e Amor sempre! A frase, que pode parecer clichê para uns, é recorrente nas mensagens de Otávio Oliveira, ou melhor, Oods, que para bem longe dos clichês traduz os ideais de Paz e Amor em mosaicos de cores e combinações impressionantes espalhados por sua cidade, Franca, no estado de São Paulo, e para onde mais cada pedaço de sua arte puder levá-lo. A presença do azul é recorrente em muitos dos trabalhos e a maioria impressiona também pelo tamanho das instalações em mosaico. Na oficina, Oods apresentará algumas técnicas básicas da arte aos participantes.


23/07
Sábado

9:00 - Oficina de Bonecas Abayomis com Aldelice Braga - Escola

As Bonecas Abayomis são símbolos de resistência, tradição e poder feminino. Elas nasceram nos tumbeiros, os pequenos navios que levavam os negros escravizados da África ao Brasil, quando as mães cortavam retalhos de suas próprias roupas para criarem bonecas aos filhos. Sem nenhuma costura, as abayomis são feitas de tranças e nós e são consideradas amuletos de proteção. Esta oficina é destinada a maiores de 12 anos e tem duração de 1 hora. Os participantes deverão trazer sobras de tecidos. 

14:00 - Sessão Estética | Oficina "Empoderamento das Mulheres Negras: a estética e a compreensão das belezas do povo negro", uma dinâmica interativa com as mulheres, com oficinas de trança, maquiagem e turbantes, com Aldelice Braga - Centro de Cultura Cavaleiro de Jorge

Confecção de turbantes e técnicas de uso. As mulheres devem trazer seus próprios tecidos para a confecção. Tem duração de 2h e encerra com um pequeno desfile das participantes na Feira de Experiências Sustentáveis do Cerrado.

14:00 - Oficina de Sussa e Buraca, com a comunidade Kalunga - Centro de Cultura Cavaleiro de Jorge

A Sussa é uma dança tradicional dos quilombos de Goiás. Tocada por músicos foliões, o gênero musical permite a presença da mulher como instrumentista ao tocar a buraca (uma espécie de mala rústica de madeira para guardar artefatos durante os deslocamentos em burros). A sussa pode ser dançada entre casais, com os corpos se aproximando e se afastando, dando “umbigadas” ou separadamente. Esta atividade tem o intento de valorizar a cultura tradicional do Sítio Histórico Kalunga e fortalecer as manifestações culturais do grupo.

15:00 - Oficina com a artista Plástica Surama Caggiano | Do projeto "Mulheres Africanas, nossa herança, história e ancestralidade" - Escola

O propósito é criar obras que representam a imagem, identidade e a cultura afro-brasileira, no intuito de incentivar um fazer artístico aliado a uma reflexão crítica, aos conteúdos afetivos, histórias e memórias individuais e coletivas presentes nesse fazer, que colaborem na formação de um novo olhar para a cultura na construção e consolidação da sociedade brasileira. Serão produzidas obras que representam a herança da nossa cultura africana, símbolos que traduzem e dão origem e inspiração à formação desta cultura em combate à discriminação racial. Incentivar reflexões sobre estes movimentos de transformação, que buscam provocar uma aproximação das ações e visibilidade do negro diante da sua participação fundamental no processo de conscientização social, política, econômica e cultural.  

24/07
Domingo

9:00 - Oficina de Musicalização na Capoeira, com Berimbrown - Praça do Artesão

Trabalhar os ritmos percussivos nas rodas de capoeira, tendo como princípio o resgate da cultura afro-universal: a pesquisa de ritmos de matriz africana, especialmente os tambores de minas (congado), o berimbau (arco musical) e ritmos estrangeiros de origem negra, como o reggae, o RAP, o funk e o soul, além de um coral afro.

14:00 - Oficina de Dança Afro com Aldelice Braga - Praça do Artesão

Voltada ao público feminino, com trabalho de gestos e códigos da Orixá Oxum que consagra o feminino. Tem duração de 4 a 6 horas e encerramento em uma das cachoeiras da região.

25/07
Segunda-feira

9:00 - Oficina Arawô, com Benjamim Abras (Capoeira e Performance) - Casa de Cultura Cavaleiro

A oficina Arawô é um fragmento da residência “Irradiações Ancestrais”, criada pelo diretor e performer Benjamin Abras. Ela apresenta uma parte do processo de criação do espetáculo Kalundu. Arawô é um workshop voltado para pessoas interessadas em matrizes afro-brasileiras como suporte e motrizes de arte contemporânea. Valendo-se da Capoeira de Angola e de técnicas de cânticos afro-tradicionais como suporte de linguagens performáticas, a oficina propõe caminhos para a compreensão de elementos técnicos e tradicionais para materiais para criação performática contemporânea, evocando na memória da voz dos participantes a corporeidade do som. Realizado em Dakar em 2014, em Londres e Itapipoca em 2015, a oficina Arawô traz uma via diferenciada para a experiência do desenvolvimento da presença cênica, englobando a construção da performatividade dentro do plano ritualístico ancestral e seus desdobramentos no mundo contemporâneo. 

11:00 Oficinas pedagógicas: “Saberes e fazeres quilombolas”, com professores Fernando Bueno e Julia Bueno de Morais Silva, da UEG (Universidade Estadual de Goiás) - Escola

Trabalhar a sabedoria das práticas quilombolas destinadas ao cuidado com a terra e com o campo.

15:00 - Oficina de Coco Juremado - com Mestre Hugo do Besouro Mangangá - Praça do Artesão

R$20,00

A oficina será de percussão e canto de trupé, com apresentação do ritmo e da batida do coco juremado.

17:00 - Oficina de Elaboração de Projetos Culturais para Juventudes, com professores Lorena Borges e Valdeir Santos, da UEG (Universidade Estadual de Goiás) - Escola

Trabalhar na capacitação de novos atores sociais dentro das comunidades tradicionais para a elaboração de projetos culturais.

26/07
Terça-feira

8:00 - Oficina “Identificação de espécies vegetais e seus usos potenciais”, com o técnico agrícola Mauro Araújo - Parque Nacional

Saída a campo para identificar plantas nativas do cerrado e aprender sobre seus usos potenciais.

15:00 - Oficina de Maracatu Baque Angola: Nação Leão da Campina - Praça do Artesão

R$20,00

Abordar as técnicas, danças, cantos e batidas do Maracatu Baque Angola.

 

27/07
Quarta-feira

10:00 - Oficina “Sabenças da Infância”, de Thâmile Vidiz  - Casa Petrobrás

Por meio de brincadeiras e músicas, o objetivo desta oficina é resgatar a cultura tradicional na vida das crianças.

14:00 - Oficina “Delikatessens: águas e sons, memórias primordiais” (1º dia) - Casa Petrobrás

Proposta de uma vivência de ecologia profunda, que possibilite aos participantes experiências sobre suas relações com as memórias das águas e dos sons. Esta experiência busca promover encontros em que a natureza destas coisas – água e som – possa aproximar os participantes da própria vida e do cuidado da cultura como ambiente vivo. Propõe-se, por meio de atividades lúdicas, artísticas e facilitadoras, construir um percurso reflexivo sobre a presença das águas na história, no cotidiano e na cultura da população local. Passando pela criação de um “mapa das memórias” do grupo, coleta de objetos e sementes na comunidade local, contação de histórias e vivências corporais, como pintura do corpo com argila, a atividade permite aos participantes refletir sobre a importância do compartilhamento coletivo e colaborativo de sonhos e memórias. A proposta é voltada à necessidade de cuidado e preservação para com as águas e, ainda, sua relevância para a construção da história dos sons e memória de um povo.

Dia 1 - Sensibilização
Roda de cantigas e conversas sobre água e som.
Vivência com música, som e água.
Pintura de mapa das águas e dos sons, em tecido, com pigmentos naturais da região (já doados por morador da chapada).
Caminhada por São Jorge para coleta de materiais para construção de instrumentos sonoros (sementes, tampinhas, materiais que podem ser reutilizados, etc).

 

14:00 - Oficina de Samba de Coco com Werner Lopes (Irmãs Lopes - Arcoverde-PE) e Elaine Gomes (Olinda-PE) - Praça do Artesão

Apresentar o ritmo, a batida e a dança do samba de coco.

28/07
Quinta-feira

14:00 - Oficina "Delikatessens: águas e sons, memórias primordiais" (2º dia) - Casa Petrobrás

Dia 2 - Criação de histórias e construção de instrumentos
Brincadeira de inventar e contar histórias.
Construção de instrumentos pelos participantes.
Contação da história, utilizando os instrumentos para sonoplastia.

29/07
Sexta-feira

9:00/14:00 - Vivência de percussão, dança, canto e história da Cultura Yorùbá, com Idowu Akinruli - Praça do Artesão

R$50 (cada parte), R$90 (as duas partes)

Desde sua chegada ao Brasil, o percussionista e dançarino ingeriano Idowu Akinruli se dedica à realização de ações culturais com o propósito de difundir, esclarecer e promover iniciativas que fomentam as artes e cultura de matriz Yorùbá, sua matriz étnica. Esta oficina pretende aproximar, para o desfrute e conhecimento dos participantes, a sonoridade presente no oeste africano – ou África ocidental. Assim como na tradição Yorùbá, na qual desde crianças somos incorporados ao universo desses elementos (música, dança e história) e encontramos nosso espaço como músicos, aqui também construiremos essa oportunidade de modo que do somatório da arte musical de cada um seja possível ouvirmos uma orquestra percussiva.

 

14:00 - Oficina “Delikatessens: águas e sons, memórias primordiais” (3º dia) - Casa Petrobrás

Dia 03 - Eu sou natureza, e sou a história das águas e dos sons
Dança da Terra – vivencia com música e pintura corporal com argila.
Vivência: o que um rio em mim sente?
Banho no rio, ou de mangueira (preferencialmente em rio), com cantigas e música - Roda de cantigas e fechamento.