De 15 a 30 de julho de 2016
Vila de São Jorge · Chapada dos Veadeiros · Goiás

Rodas de Prosa

As rodas de prosa são uma oportunidade para grupos, mestres, poder público e comunidade trocarem experiências e confrontarem suas visões de mundo, priorizando a abertura de um espaço de encontros e diálogos entre os povos. O objetivo é partilhar experiências, histórias de vida, práticas e tradições culturais e promover debates sobre cultura, meio ambiente, políticas públicas e assuntos relacionados às questões socioculturais brasileiras.

17/07 - Aldeia Multiétnica
Domingo

14:00 - Roda de prosa “Etnomídia e afirmação da identidade indígena”, com lideranças indígenas e convidados ligados ao tema

Nesta roda de prosa, discutiremos a criação dos meios e plataformas de comunicação criados pelos povos indígenas para atender às suas necessidades. No Brasil, contamos com rádios, blogs, sites e comunidades virtuais que procuram dar visibilidade e fortalecer a identidade e as demandas indígenas. A esse fenômeno damos o nome de etnomídia.  

Participantes: Denilson Baniwa (Coordenador da Rádio Yandê).

18/07 - Aldeia Multiétnica
Segunda-feira

14:00 - Roda de prosa “Conservação de sementes tradicionais e crioulas, extrativismo sustentável e segurança alimentar dos povos indígenas”, com lideranças indígenas e convidados ligados ao tema

Por meio das sementes, as comunidades indígenas construíram sua cultura alimentar e ritual. Com o passar do tempo e as mudanças climáticas, elas têm assistido a perda gradual de sementes tradicionais, não somente de espécies de milho e batata-doce, mas também de exemplares da agrobiodiversidade, como o milho preto ou rajado, que faziam parte da memória ancestral de muitos povos indígenas. Partindo dessa dificuldade, a Embrapa começou um trabalho de resgate e conservação dessas sementes através de uma feira de trocas. Iniciada com os Krahô, atualmente o trabalho exitoso é repetido por outros povos, como os Kayapó. Esta roda de prosa tratará das sementes tradicionais em conservação pela Embrapa, das sementes tradicionais indígenas já utilizadas por muito tempo por essas comunidades e da forma de cultivo das mesmas diante das questões climáticas atuais.

Participantes: Fernando Schiavini, indigenista, Isaac Kayapó, Getúlio Krahô, Guilherme Greque Gonçalves - UEG (Universidade Estadual de Goiás), Eduardo Bonfim de Oliveira- UEG (Universidade Estadual de Goiás).

19/07 - Aldeia Multiétnica
Terça-feira

15:00 - Roda de mulheres: “A sabedoria dos ciclos femininos na tradição Guarani

Para as comunidades indígenas, a mulher é portadora de uma das funções mais sagradas: ser a guardiã dos ciclos e da concepção. Nas culturas ancestrais, ela era reverenciada e associada ao Princípio Divino Feminino, pois trazia em seu vaso sagrado (ventre) a possibilidade de criar vida dentro de seu corpo e nutrir essa vida com o alimento gerado por ele. Ela era a própria criação. Para debater sobre a saúde da mulher e das sabedorias tradicionais dos povos indígenas, Dona Rosa Poty Dja, líder espiritual Guarani Mbyá, falará sobre os mecanismos de saúde das mulheres indígenas.

Participantes: D. Rosa PotyDja, líder espiritual Guarani Mbyá

20/07 - Aldeia Multiétnica
Quarta-feira

14:00 - Roda de prosa “A convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho e os impactos das grandes obras”

Discutir os impactos das grandes obras e empreendimentos na cultura, saúde e sobrevivência dos povos indígenas e tradicionais é uma das mais importantes reflexões atuais. Assim sendo, representantes indígenas envolvidos com a luta pela demarcação de terras, proteção e manutenção de seus territórios, terão espaço neste momento para dialogar e construir caminhos para que os direitos constitucionais instituídos pela convenção 169 sejam assegurados.

Participantes: Lideranças Indígenas presente;

21/07 - Aldeia Multiétnica
Quinta-feira

14:00 - Roda de prosa “O artesanato indígena e a economia criativa”

O artesanato é uma das principais fontes de renda de muitas comunidades indígenas. Diante de uma realidade de exploração de seus territórios, desmatamento e mudanças climáticas, muitas comunidades indígenas passaram a ter toda sua subsistência ligada à geração de renda por meio da comercialização do artesanato. Nesta roda de prosa, lideranças e artesãos debaterão temas ligados à valorização dos saberes tradicionais, à comercialização do artesanato indígena e à exportação dos mesmos. Como objetivo específico, esta roda de prosa se coloca a construir uma agenda de pesquisa e avaliação de mercado para o artesanato do povo indígena Fulni-ô.

Participantes: Cleber Oliveira |  Habitat Socioambiental,Centro de Estudos Universais - CEU, Lideranças Indígenas Fulni-ô, Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge, Lideranças Indígenas Kayapós, Lideranças Indígenas do Alto Xingú 

22/07 - Aldeia Multiétnica
Sexta-feira

14:00 - Roda de prosa “Educação escolar indígena e quilombola”, com lideranças indígenas e convidados ligados ao tema

Elucidar a necessidade de uma educação diferenciada baseada na cultura tradicional de cada povo, que siga seu próprio calendário e costumes, de forma a se integrar com o método nacional.

Participantes: Pajé Marcos Moreira (liderança Guarani Mbyá, professor graduado em licenciatura indígena), Lideranças indígenas Fulni-ô, Lideranças Indígenas Kayapós, Lideranças Indígenas Yawalapitis, Lorena Borges (representante do pró-reitor de Extensão).

 

23/07 - Encontro de Lideranças Negras (Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge)
Sábado

9:00 - Roda de Prosa "O êxodo urbano e o empoderamento das juventudes negras"

Um dos principais fenômenos que afetam as juventudes tradicionais, sobretudo as negras, é a migração desses jovens para os centros urbanos em busca de educação, saúde e melhores condições de vida. Uma vez nos centros urbanos a sabedoria tradicional é desprezada e esses grupos passam a viver nas periferias, continuando assim sem acesso aos benefícios básicos que os fizeram sair de seus territórios. Esta roda de prosa visa trabalhar a conscientização desses grupos a permanecerem em seus territórios construindo a partir do aprendizado nas universidade e da sabedoria tradicional o desenvolvimento econômico e social de suas localidade, além da soberania e sustentabilidade da juventude negra tradicional.  

Participantes: Lêda Borges  (Secretária de Estado da Mulher, do Desenvolvimento Social, da Igualdade Racial, dos Direitos Humanos e do  Trabalho), Representante da Secretaria de Igualdade Racial da Presidência da República, Cláudia Francisco dos Santos (Representante do Sítio Histórico Kalunga), Elizeu Xumxum ( Representante Quilombola do MT), Selma Dealdina (Secretária da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras e Quilombolas), Sandra Pereira Braga (Coordenadora Nacional da CONAQ).

10:00 - Roda de Prosa "Empreendimentos Afrocentrados e os novos espaços de construção social"

Um dos grandes desafios das comunidades tradicionais é a sustentabilidade financeira. Para a comunidade negra, trabalhar com produtos relacionados à sua cultura e ancestralidade, ou mesmo no enfrentamento ao racismo, a partir de projetos sociais e ou comercialização de seus produtos tem sido observado nos últimos anos como um ato político de fortalecimento pela luta antiracial e de resistência. Neste sentido, discutir empreendimentos com reflexões e recortes raciais torna-se uma nova forma de construção social. A partir disso, apresentaremos experiências exitosas pelo Brasil e intercambiaremos com as produções das comunidades tradicionais novas ferramentas para a produção e valorização desses empreendimentos e saberes.

Participantes: Décio Coutinho (SEBRAE), Surama Caggiano - Afreaka, Nego Ativo - Berimbrown, Douglas Belchior -  Carta Capital e UNEafro

24/07 - Encontro de Lideranças Negras (Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge)
Domingo

8:00 - Roda de Prosa “Encontro dos Mestres de Fé: fé, respeito e tradição do povo negro"

Nos últimos 200 anos, novos movimentos religiosos floresceram. Nunca houve tanta diversidade de correntes religiosas como agora. Em países que receberam múltiplas influências culturais, como o Brasil, o sincretismo e crenças originais enriquecem a experiência da humanidade. Diante de uma realidade de cativeiro, o povo negro foi construindo dentro das religiões que lhes eram permitidas novas expressões. As congadas, as festas de cultura tradicional e os símbolos católicos passaram a ter uma nova roupagem e significados mais próximos ao que o povo negro reconhecia em seu continente. Esta roda de prosa tem o intuito de celebrar a diversidade religiosa do País.

Participantes:  Capitão Júlio do Terno de Moçambique, Watusi Santiago, Rezadeiras de Goiás, Babalorixá Tiago de Xangô.

10:00 - Roda de Prosa “Educação Popular: a real implementação da Lei 10.639, que torna obrigatório o ensino da história e cultura afro-brasileira nas escolas públicas e privadas de todo o Brasil"

Este ano, um dos importantes temas a serem abordados no XVI Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros é Educação. A partir da discussão sobre os caminhos necessários para a real inclusão das comunidades tradicionais nas instituições de ensino e a implementação da lei nº 11.645/08, que estabelece a obrigatoriedade do estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena nas redes de ensino público e privado, discutiremos, entre outras coisas, a cultura educacional restritiva dos centros urbanos, o acesso à universidade e os caminhos da comunidade rural e tradicional  para uma educação básica, média e superior verdadeiramente inclusiva.

Participantes: Carla Marinho, Maria Lívia e Amanda Letícia (De Bike para a Escola), Sandro Di Lima (Pró-reitor de Extensão do IFG), Rogério Ribeiro (Estudante da UNB e Kalunga), Cláudia Francisco dos Santos - Tôca (Estudante Rural), Douglas Belchior (Historiador, professor e diretor da UNEafro)

25/07 - Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge
Segunda-feira

10:00 - Roda de prosa “Economia Criativa Sustentável”, 

Incentivar ideias e projetos dentro das comunidades tradicionais que valorizem a cultura e as tradições de cada uma e garantam sua sustentabilidade.

Participantes: Representantes de territórios remanescentes quilombolas, Décio Coutinho (SEBRAE), Lideranças indígenas, Expositores da Feira de Experiências Sustentáveis do Cerrado, Representantes das comunidades tradicionais da região da Chapada dos Veadeiros

 

26/07 - Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge
Terça-feira

10:00 - Roda de prosa “Manutenção das festas tradicionais: valorização e proteção do patrimônio cultural imaterial”

Discutir formas inovadoras de alcançar a sustentabilidade de festas tradicionais.

Participantes: Representantes das comunidades tradicionais, Eduardo Melo (Festa da Lavadeira), Juliano Basso (Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge), Paulo Dias (Instituto Cachuera!), Glaucia Rodrigues (Centro de Estudos Universais).

15:00 - Roda de prosa "Gestão Cultural e Desenvolvimento Territorial"

Discutir ideias e projetos inovadores de gestão cultural ligados à temática do desenvolvimento territorial, com foco nas comunidades tradicionais.

Participantes: Representantes de territórios remanescentes quilombolas, Décio Coutinho (SEBRAE), Lideranças indígenas, Representantes de comunidades tradicionais da região da Chapada dos Veadeiros

27/07 - Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge
Quarta-feira

10:00 - Roda de prosa “Redes de Cultura e Criatividade”, com representantes de territórios remanescentes quilombolas, Décio Coutinho (SEBRAE), indígenas, comunidades tradicionais da região da Chapada dos Veadeiros 

15:00 - Roda de prosa “Estudos Micro e Macro de Sustentabilidade em Rede: Cultura Viva no Brasil e na América Latina” 

Esta roda de prosa pretende apresentar e relativizar as experiências voltadas à sustentabilidade da cadeia produtiva da cultura no Brasil e na América Latina, com foco nos desdobramentos do projeto Cultura Viva. A partir do tema, a roda de prosa se propõe a avaliar o desenvolvimento da política citada e identificar os pontos para melhoramento, sobretudo às comunidades tradicionais.

Participantes: Ângela Maria Pimenta, Iara Machado.

28/07 - Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge
Quinta-feira

10:00 - Roda de prosa “Agricultura Familiar e Segurança Alimentar: novas formas de produzir e consumir”

Discutir formas de aumentar a produtividade da agricultura familiar, diversificar os meios de subsistência e estimular práticas sustentáveis, com foco nas comunidades tradicionais.

Participantes:  (À confirmar) 

30/07 - Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge
Sábado

10:00 - Roda de prosa: “Emancipação da juventude nas comunidades tradicionais”

Esta roda de prosa tem o intuito de intercambiar as experiências vividas na produção e condução do projeto Turma Que Faz e Tambores do Tocantins na conscientização cultural e valorização da cultura tradicional, trabalhando a partir da arte-educação com as crianças e adolescentes dos dois projetos.  Ambos os projetos visam capacitar os jovens para a cadeia produtiva da cultura, dando ênfase na formação artística e  ambiental dos mesmos.  Como objetivo específico, esta roda visa atender um planejamento de atividades posteriores aos dois grupos como forma de fortalecer as iniciativas.

Participantes: Décio Coutinho (SEBRAE), Márcio Bello e grupo Tambores do Tocantins, Doroty Marques e integrantes do projeto Turma Que Faz, Representantes de territórios remanescentes quilombolas, Lideranças indígenas, Representantes de comunidades tradicionais da região da Chapada dos Veadeiros